domingo, 22 de outubro de 2017

A vez da ciência

Perante tanta igorância  e tanto oportunismo face os fogos, vale a pena ouvir a voz da ciência. É uma medida higiénica, para limpar a poeira que anda no ar. Como a chuva desta semana que passou: soube tão bem voltar a respirar ar puro!

Ler em: https://www.dn.pt/portugal/interior/ha-aqui-uma-falha-na-governacao-do-pais-8863573.html

Voltando à opinião, desta  vez lúcida e sensata, de José Alberto Carvalho, um jornalista. Começa a ser coisa rara encontrar um lúcido e sensato, por isso o sugiro.
Do seu facebook: https://www.facebook.com/JACarvalho67/posts/2005849046108741

Viajei, durante os últimos dias, para apreciar e fotografar as cores das árvores na Nova Inglaterra, nordeste dos EUA. Há anos que planeava e pensava nesta viagem. O esplendor das cores de Outono é o mais bonito e pacificador espetáculo natural que jamais pude ver. Foram as árvores que motivaram a minha viagem. No regresso… as árvores do meu país desapareceram! Aterrei ao fim da madrugada de domingo para segunda. Assim que li e ouvi as primeiras notícias senti que metade do país estava em guerra: sem comunicações, sem energia, sem ajuda. Nasci no distrito de Coimbra onde sempre viveu a minha família. Não consegui contactar os meus pais durante todo o dia; nem eles nem ninguém. Não sabia onde andava o fogo; nem qual o desespero das pessoas que conheço desde miúdo. Nas redes sociais muita gente partilhava a angústia do silêncio em busca de notícias. Ao fim da noite consegui finalmente ouvir os meus pais: deslocaram-se vário quilómetros em busca de rede de telemóvel, já com as chamas menos ameaçadoras, para me tranquilizar.
Ao longo das horas li e ouvi inúmeros comentários sobre responsabilidade política nesta tragédia. Tenho evitado, neste espaço, qualquer opinião que possa cruzar-se com a minha profissão e com as minhas funções, mas desta vez quebro a regra.
1 - A Ministra deveria demitir-se ?
O que teria mudado hoje, se a Ministra da Administração Interna se tivesse demitido ontem ? Nada! Teríamos alguém novo no cargo, em plena catástrofe, a aprender regras e procedimentos, sob total pressão dos acontecimentos trágicos. Não me parece sensato.
No entanto, desta vez entendo que a ministra deveria demitir-se sim. Não pelos incêndios, mas pelos comentários totalmente inaceitáveis perante o sofrimento de tantas famílias. Acredito que esteja a ser o ano mais difícil da vida de Constança Urbano de Sousa, mas como bem recordou por exemplo o meu amigo Bento Rodrigues, “há dezenas de pessoas que nunca mais vão ter férias”. Resiliência e coragem não significam apenas manter o posto no meio do caos; a dignidade perante o sofrimento é uma atitude que me merece, sem dúvida, especial admiração. A Ministra não tem culpa das circunstâncias em que se viu envolvida. Mas as circunstâncias são, quase sempre, o que define as nossas escolhas, porque nos confrontam com aquilo que somos.
2 - Responsabilidade política
Francamente, nunca percebi como se pretende traduzir, em Portugal, responsabilidade política por demissão de funções. Interrogo-me aliás se Jorge Coelho (exemplo frequentemente invocado por se ter demitido perante a queda da ponte de Entre-os-Rios) pagou alguma “responsabilidade política” com a decisão de abandonar o governo. Foi penalizado de alguma forma ? As pontes ficaram mais seguras em função da demissão ?
Concordo que o país precisa de soluções e não de demissões, porque isso é o que todos temos feito ao longo destas décadas: demitimo-nos da maioria do território português e entregámos o interior aos mais velhos e à natureza. E a natureza está a reclamar o que é seu, perante a ausência de cuidado humano.
3 - "O que foi feito em 4 meses?”
É outra pergunta repetida. E francamente, não encontro nenhuma resposta possível para aplacar esta interrogação (legítima). Ao fim de décadas de abandono do interior, estes incêndios - menos graves e catastróficos do que aqueles que ciclicamente ocorrem noutros países - o que poderia ser feito em 4 meses? Imaginemos, por exemplo, que depois de Pedrógão Grande o estado português tinha contratado, à cautela, todos os meios aéreos disponíveis na Europa. Teríamos, por absurdo, uns mil “meios aéreos” disponíveis para atacar as chamas. Mas como ??!! Nem os aviões, nem os helicópteros (muitos ou poucos) tiveram condições para combater as chamas perante o vento, o fumo e as temperaturas. Se é verdade o que dizem os especialistas, estes fogos não se conseguem combater: o ser humano deve tentar “apenas” proteger pessoas e bens.
4 - A proteção de pessoas e bens.
É isto que, na verdade, nos choca a todos: a imensa destruição e, sobretudo, a dramática e inimaginável, inconcebível, perda de vidas. Uma centena de pessoas! Como é possível ? Os bombardeamentos em Aleppo não conseguiram provocar tantos mortos em tão pouco tempo…
Vale a pena, no entanto, tentar perceber como morreram estas pessoas. Pelo que se sabe nesta altura, a maioria delas ( tal como em Pedrógão…) morreu em acidentes rodoviários em fuga das chamas ou a caminho de um barracão agrícola no desespero de tentar salvar os seus bens. Sendo assim, interrogo-me: como se controlam as estradas em situação de catástrofe?
Como é possível que dezenas de estradas, vias rápidas e auto-estradas, incluindo a principal estrada do país, tenham estado abertas ao trânsito, quando as chamas as tomaram de assalto, como é evidente nos vídeos que se tornaram virais nestes dois dias? Como é que se faz a monitorização desta ameaça ? Quem ordena a GNR cortar as estradas? Como funciona a estrutura de comando da Proteção Civil? Não sabemos! Infelizmente, palpita-me que os diretamente envolvidos também não sabem…
No dia da tragédia de Pedrógão havia dois militares da GNR de serviço em cada concelho. Quantos estiveram de serviço no domingo? E a reagir a que informações?
5 - Informações/ comunicações
Não entendo como é que a sigla SIRESP corresponde a uma EMPRESA que tem um contrato de prestação de serviços com o Estado. Não entendo de todo ! Uma empresa??? Não deveria ser o SIRESP o coração do serviço de proteção civil? Aceita-se que o 112 fosse concessionado a entidades privadas?
Não se trata, sequer, de serviços comparáveis: o 112 responde a ACIDENTES; o SIRESP deve responder a CATÁSTROFES.
6 - A culpa é dos governos
Concordo. Mas quando a culpa é de todos os governos, isso significa que a culpa é do Estado; e o Estado somos nós, cidadãos. Com esta generalização do “todos” não pretendo amnistiar ninguém. Mas porra! As profissões relacionadas com a floresta desapareceram (resineiros, cantoneiros); nas zonas florestais do país vivem, hoje em dia, populações idosas que carecem de cuidados permanentes para a sua sobrevivência e bem estar. As capacidades produtivas do interior foram ignoradas. Os descendentes (e herdeiros!) dessas pessoas idosas não sabem sequer que terrenos herdaram; e quando sabem procuram aborrecer-se o menos possível com essas minudências… eucalipto é uma boa solução; cortar mato e silvas dá trabalho, é caro e não há ninguém que o queira fazer e suspiram que “Era tão melhor que a minha família me tivesse deixado em herança uma casa na praia…”
Quem ficou a tomar conta da floresta foi a própria natureza. O que não pode levar-nos à resignação de aceitarmos esta tragédia como “natural” nem ao conforto fácil e “urbano” ( sem trocadilhos) de que ficará resolvido com uma demissão e a “responsabilidade política” da mesma.
Ao fim de 40 anos de migração para o litoral, de abandono do interior, de desprezo pela maioria do território parece-me inevitável que irá demorar tempo a corrigir o absurdo. E que todos nós, o Estado!, voltemos a olhar para o interior com a dignidade e responsabilidade que merece.

José Teodoro Prata

sexta-feira, 20 de outubro de 2017

Boas práticas

Habitantes juntaram-se para manter terrenos limpos em Vila de Rei

Vítor Fernandes diz que população decidiu agir em vez de esperar pelo Estado.
Cansados de esperar pelo Estado e da aflição anual perante a chegada dos incêndios, os habitantes da aldeia de Monte Novo criaram um grupo para identificar e limpar as terras.
Em Monte Novo, uma pequena aldeia do concelho de Vila de Rei, a ameaça dos incêndios deste verão levou um conjunto de habitantes a agir. "Quando estava tudo a arder em Pedrógão Grande, as pessoas ficaram com medo que chegasse lá e mobilizaram-se todas. Andava tudo a limpar os quintais com medo que o fogo chegasse", recorda Vítor Fernandes. Foi nessa altura que o assistente de parque de estacionamento falou com os vizinhos para que se juntassem e garantissem que os seus terrenos estavam limpos o ano inteiro, de forma a que não andassem aflitos sempre que as chamas espreitam.
"Percebi que eles já tinham falado disso. Marcámos uma reunião, fortalecemos a nossa ideia, andámos com fitas métricas a ver quantos metros era obrigatório limpar à volta dos terrenos. Já temos tudo identificado, agora estamos a espalhar a ideia, a falar com os proprietários das terras em volta da povoação." O que este grupo de dez moradores de Monte Novo, na freguesia da Fundada, pretende é que ou os proprietários limpem os seus terrenos ou que aceitem pagar pelos seus serviços e eles certificam-se que as limpezas cumprem as normas legais.
Caso contrário, "quando houver um incêndio, se for preciso, pegamos numa máquina e limpamos tudo, mesmo sem autorização, porque não podemos é arriscar a segurança das nossas casas", alerta Vítor Fernandes.
Apesar de viver em Lisboa, o mentor desta ideia continua a ir à sua terra natal e mantêm bem presente a necessidade de cuidar dos terrenos para que os incêndios não sejam piores. E já há algum tempo que junta dinheiro - "como um condomínio na cidade" - para tratar da limpeza das terras que mantém. O princípio para a limpeza da aldeia é o mesmo que Vítor e os vizinhos aplicam com as suas terras: "Impusemos que se tivermos alguma despesa a limpar terrenos dos outros, vamos custear isso e juntamos dinheiro para isso. Toda a gente, com um euro por dia limpa o país inteiro", defende.
Começaram pelos terrenos do interior da povoação, que são propriedade dos dinamizadores do grupo, e agora fizeram o levantamento dos terrenos que a envolvem. "Nas terras mais pequenas toda a gente acaba por saber quem é o dono de cada bocadinho e torna-se mais fácil chegar ao contacto com eles". Essa é uma fase que já passou e basta agora terem uma autorização dos proprietários para fazerem a limpeza preventiva a que se propõem.
Estes habitantes de Monte Novo acreditam que a sua iniciativa pode ser um exemplo para que outras zonas do país se mobilizem. "Temos de fazer alguma coisa e não podemos só empurrar para o governo. O problema no momento é de todos."
Vítor fala até com a experiência de quem já tinha lançado o desafio à autarquia de que se criasse um mecanismo que obrigasse a cumprir a lei da limpeza dos terrenos. Na altura, tinha em mente fazer desta atividade um negócio, mas quis garantir que iria haver quem cumprisse a lei e precisasse de serviços como os seus. "A resposta foi de que era difícil fazer cumprir a lei porque as pessoas não gostam de ser pressionadas", lamenta.
Agora aos 60 anos, quer apenas manter um grupo ativo de voluntários e conta com o apoio da autarquia para executar a ideia. O executivo local está disponível para emprestar as máquinas necessárias ao corte das árvores. Com a chegada das chuvas, Vítor e os amigos vão voltar a contactar os donos dos terrenos que precisam de ser limpos para "chegarmos a uma conclusão: ou eles limpam ou avançamos nós".
Diário de Notícias

Esta notíca interessa-me especialmente, quer pelo conteúdo, quer porque vivi 6 anos na Fundada e tive vários alunos do Monte Novo.
Nos comentários que se seguiam ao texto online, muitos escreveram que eles não fizeram mais do que a sua obrigação, pois não compete ao Estado limpar propriedades particulares. É verdade, muitas vezes a culpa que atribuímos ao Estado serve apenas para disfarçar a nossa inatividade. Mas este projeto é muito mais do que isso!!!

José Teodoro Prata

quarta-feira, 18 de outubro de 2017

Obrigado

Nesta semana em que tomam posse os autarcas eleitos nas últimas eleições, não posso deixar de agradecer ao ex-vereador da Cultura da Câmara Municipal de Castelo Branco, Fernando Raposo, pelo excelente trabalho realizado, no concelho em geral e na nossa Vila em particular.
Sei que atuou sempre em nome do presidente da Câmara, mas foi meritória a sua dedicação a uma área que lhe é querida e em que tem larga experiência: a Cultura. Com ele, Castelo Branco teve pela primeira vez uma política cultural com cabeça, tronco e membros.
Ouvi vários elogios de terceiros e, quanto a nós, foi extraordinário o apoio que nos deu nas apresentações do livro Dos enxidros aos casais... e na oferta dos livros à Misericórdia. Também na criação do Museu de Arte Sacra terá tido um papel importante.
O meu obrigado!


José Teodoro Prata

domingo, 15 de outubro de 2017

Fazer diferente


Saiu o relatório da comissão de "sábios", sobre os incêndios. O ponto 4, que nos diz diretamente respeito, transcrevo-o no final deste texto.
Nele consta a recomendação de diversificar a floresta, com mais castanheiros e carvalhos, mais sobreiros e medronheiros, espaçar as árvores e manter o solo limpo de matos.
Para mim, este último é que é o calcanhar de aquiles. O que fazer aos matos e ramos que se cortam? Todos sabemos que é neles, a par da densidade das árvores, que reside a quase impossiblidade de combater os incêndios.
O Cabeço de Pisco é um bom exemplo desta questão. No ano passado cortaram-se os pinheiros maiores e ficaram os jovens e os eucapiptos; este ano cortaram-se os eucaliptos. A floresta ficou muito rala, quase sem matos, mas com um depósito de caruma de mais de 20 anos e as ramagens de dois cortes em anos consecutivos. Aparentemente, estava bem, de acordo com as melhores práticas recomendadas no relatório. Mas como apagar um incêndio ali?
Informa-me a internet que já existe uma central de compustagem na Chamusca e outra em Vila Nova de Famalicão. Elas são a solução ideal para tratar estes resíduos florestais, mas a área que abrangem será uma gota de água nas nossas necessidades para manter a floresta limpa. Há anos, falou-se numa para Oleiros, mas ficou pelo caminho.
E como limpar a floresta, neste cenário de desertificação humana? Temos falta de gente, mas muitos não querem ouvir falar de imigrantes, como se nós todos não fossemos descendentes de imigrantes. Também seria necessário muito dinheiro para ter uma equipa de sapadores florestais quase em cada freguesia. Mas seriam mais algumas famílias a manterem-se em cada freguesia deste interior despovoado. E o dinheiro? Acho que os milhões gastos quase inutilmente em aviões e helicópteros seriam suficientes. O problema é a fase de transição, em que terá de se manter este gasto quase inútil, ao mesmo tempo que já se pagam aos sapadores.
Com a floresta limpa e ordenada, os incêndios seriam controláveis. No fim de uns anos, teríamos madeiras nobres que tornariam desnecessária a importação.
Nota: Não saiu da minha cabeça esta da limpeza da floresta em vez do uso sistemático de meios aéreos que apenas abrandam o fogo. A opinião é de uma  luso-americana especialista em incêndios que, em entrevista à Visão, defendia o que acima escrevi, dizendo que mais de metade da água lançada pelos aviões evapora com o calor do fogo antes de chegar ao solo.

Faz-me confusão andar na Gardunha, por entre as áreas queimadas. Vamos fazer como de costume e esperar que matos e pinheiros nasçam/rebentem, para daqui a anos arderem de novo? Seria bonito ver a nossa terra com uma moldura de sobreiros, na meia encosta da Gardunha, isto é, nos Enxidros. Dão-se cá tão bem e são tão rentáveis! E nas linhas de água poderia haver carvalhos e castanheiros, como há cem anos, antes de cá chegarem os pinheiros.
E o que vai ser feito para proteger do fogo o que resta da nossa floresta? O São Pedro que trate disso?

«4. Ordenamento e Gestão
  • Deverão criar-se mecanismos que garantam a intervenção num espaço, de largura a definir para cada caso – actualmente está regulamentado em 100 metros – à volta dos aglomerados que assegure pela sua ocupação (pela carga reduzida e descontinuidade do complexo combustível), uma reduzida intensidade do fogo e a protecção das habitações e de outros bens. Devem ser promovidos usos do solo que reduzam a intensidade do fogo e o risco de propagação para edificações e utilizadas espécies de baixa inflamabilidade, com elevado teor de humidade nos períodos secos, ou que promovam o desenvolvimento de complexos vegetais de reduzida combustibilidade. Estas medidas devem privilegiar a minimização das intervenções de manutenção não produtivas, a promoção de actividades humanas de manutenção e as culturas agrícolas de sequeiro ou regadio – anuais ou perenes - desde que os proprietários ou quem a eles se substitua tenha capacidade para a sua gestão e manutenção.
  • Os utilizadores do espaço florestal deverão ser mobilizados para uma intervenção que instale formações arbustivas ou arbóreas com menor combustibilidade e da adopção de práticas que reduzam o risco de incêndios e ajudem a mitigar o problema.
  • Deverá proceder-se a uma reformulação da Autoridade Florestal Nacional nos seus princípios, forma e capacidade de actuação, preocupada com a regulação do sector florestal em geral e focalizada na gestão das áreas sob regime florestal e na prevenção estrutural.
  • As organizações representativas das entidades privadas no sector devem concorrer para apresentar alternativas de utilização e de gestão aos proprietários.
  • Promoção da compartimentação das manchas florestais puras através de 19 plantações novas, ou reconversões, ou ainda adensamentos, com outras espécies arbóreas ou arbustivas de baixa inflamabilidade/combustibilidade ou plantadas em faixas de alta densidade, promovendo um efeito de barreira por quebra da continuidade de combustível ao nível do solo.
  • Reconhece-se que povoamentos puros ou mistos de pinheiro bravo ou eucalipto sem redução efectiva da carga de matos no seu interior conduzem, em situações de secura, a incêndios de grande intensidade com elevada possibilidade de projecções de focos secundários a grandes distâncias. Para estas duas espécies a regra é a da gestão do combustível no sub-bosque. Sem combustível no seu interior estas florestas, em vez de um problema sério, podem fazer parte da solução.
  • As melhores soluções de ordenamento para a mitigação dos incêndios florestais passam pela diversificação da floresta e a utilização de espécies que conduzam a formações menos combustíveis, nomeadamente das folhosas de folha caduca, como os carvalhos, castanheiros ou outras folhosas, por terem um grande teor de humidade. Estas espécies não são propícias a fogos de copas e devem, portanto, ser consideradas em misturas com outras espécies ou em áreas estratégicas para contrariar a fácil propagação dos incêndios. No Pinhal Interior modelos de silvicultura apropriados com Sobreiro e com Medronheiro têm também demonstrado fazer parte integrante de uma solução em que a diversificação da floresta tem de ser um objectivo.
  • Deve dar-se uma redobrada atenção à finalização, a curto prazo, dos novos Programas Regionais de Ordenamento Florestal, os quais podem ser utilizados para que, a partir do conhecimento dos últimos dados do Inventário Florestal Nacional (a aguardar publicação), se revejam as metas inicialmente estabelecidas no sentido de possibilitar que a nível da Região PROF e dos concelhos, sejam cada vez mais incorporadas as questões associadas aos incêndios florestais. As suas propostas deverão ser integradas nos Planos Directores Municipais e ser alvo de maior proximidade e acompanhamento do ordenamento florestal pelas entidades municipais.
  • Criação de programa específico que compense a perda de rendimento por alguns anos para a criação de florestas de carvalhos, castanheiros e outras folhosas. Este programa deverá incentivar os proprietários e gestores florestais a optarem por estas espécies que a médio e longo prazo poderão ser ainda mais rentáveis do que as actuais alternativas e com menor perigo de incêndio para as próprias florestas e para as aldeias existentes nos espaços florestais.»
José Teodoro Prata

sexta-feira, 13 de outubro de 2017

Não notícia

Jornal Reconquista, 12.10.2017

Para nós, charnecos de São Vicente, Partida, Padrão..., esta é uma não notícia.
Vai-se falar muito de romarias, de tradições orais, de música e danças tradicionais, mas só de Castelo Branco, Idanha e Penamacor, a julgar pelos painéis de palestrantes.
Quando vim morar para Castelo Branco, perto de 1990, a cultura que aqui contava era a do Campo. A Charneca era como se não existisse e a Serra pouco mais ou menos.
A pouco e pouco,  nós e as restantes freguesias do chamado pinhal conseguimos impor-nos e hoje já contamos alguma coisa.
Esta iniciativa da Fabre Actum (desconheço) é um retrocesso.
Não sei se o José Manuel lá vai aparecer e colocar os pontos nos is. Acho que não (não há pachorra para tudo!) e realmente temos mais que fazer.
Se calhar estou a exagerar, seria um prazer enganar-me!

Nota: Sei que o rancho da Santa Luzia estará presente, mas a sua presença é apenas episódica, sem que a romaria da Santa Luzia entre na reflexão global das nossas tradições.

José Teodoro Prata

terça-feira, 10 de outubro de 2017

Interior

Naquele tempo…
Há muitos, muitos séculos, existiu um rei (Sancho I), em Portugal  que, quando subiu ao trono, encontrou vastas terras cheias de matagais, despovoadas, nomeadamente no interior, onde o diabo perdeu as botas. Depois de muitas lutas, conjuntamente com seu pai (D. Afonso Henriques), o reino atravessava um tempo bonançoso.
Tinha trinta anos, quando tomou as rédeas do poder, as fronteiras com os reinos cristãos, embora frágeis iam-se consolidando. O problema mantinha-se a sul, onde predominavam os Muçulmanos.
O rei de Portugal soube tirar partido desta acalmia e…
- Não pode ser! - disse um dia ao seu chanceler D. Julião - No meu reino tenho terras incultas que nunca mais acabam; contacte o deão de Silves (que entretanto tinha voltado novamente para domínio Muçulmano), ele que vá à sua querida Flandres e traga gente para os meus reinos!
- Não é mal pensado. - respondeu o chanceler.
O Deão Guilherme partiu para a Flandres onde engajou muitos colonos. Ao chegarem a Portugal, o rei ofereceu-lhes terras para se instalaram.
Adiante.
Trás-os-Montes, Beiras… locais onde as populações eram escassas. Covilhã, 1186; Viseu, 1187; 
São Vicente da Beira 1195… Restaurou, povoou, incentivou portugueses e colonos a morarem nessas terras, dando-lhes regalias através de forais.
Desta maneira conseguiu o rei, aos poucos, que todo o reino se fosse povoando.
Os povos arroteavam, trabalhavam e rezavam.
Um dia, um filho de rei (Infante D. Henrique) isolou-se no extremo sul de Portugal, onde fundou uma escola de marinharia. Começou a enviar marinheiros para que descobrissem novas gentes, aos poucos e poucos os habitantes mais expeditos iam abandonando suas terras, partiam à procura de melhor vida.

Os séculos foram passando, algumas povoações perderam importância, outras aumentaram-na.
Em 1976, no mês de Abril, realizam-se eleições livres em Portugal
Em São Vicente da Beira, estavam inscritos nos cadernos eleitorais 1833 eleitores; na vizinha freguesia de Almaceda, 1291; Louriçal do Campo, os eleitores inscritos totalizavam, 815; Sobral do Campo 532; Ninho do Açor, 381…
Os anos foram passando, os cidadãos, morrendo ou debandando outras paragens; eis que chegamos ao ano 2013.
Eleições autárquicas:

São Vicente da Beira, 1355 eleitores; 2017, 1161 almas com direito a votar.

Nas vizinhas freguesias de:
Almaceda, em 2013, estavam inscritos nos cadernos 804  eleitores; 2017, 657 eleitores

2013, Ninho do Açor/ Sobral do Campo, 841  eleitores; 2017, 738 eleitores

2013, Louriçal do Campo, 644 votantes; 2017, 540 eleitores

Desde 1976 até 2017 a freguesia de São Vicente da Beira perdeu 672 eleitores. Uma média de 16 cidadãos eleitores por ano.

A freguesia de Almaceda perdeu 634 eleitores. Durante estes anos perdeu, por ano, cerca de 15 cidadãos eleitores.

As freguesias Sobral do Campo e Ninho do Açor perderam 175 cidadãos eleitores.
Estas duas freguesias unidas perderam, por ano, uma média de 4 eleitores.

Louriçal do Campo perdeu 275 eleitores. Esta freguesia perdeu uma média de 6 eleitores por ano, durantes estes últimos 41 anos.

Desde 1976 até aos dias de hoje, estas quatro freguesias perderam 1756 almas; muitos cidadãos.
Por este andar, se os governantes não tomarem medidas sérias, todo o interior irá ser uma vasta coutada, terras de ninguém ou de meia dúzia de endinheirados que as transformam em vastíssimos coutos para gaudio de uns poucos.
Em 2013, estavam inscritos nos cadernos eleitorais da cidade de Castelo Branco 31 287 eleitores. Actualmente estão inscritos 30 719 cidadãos.  
Julgo, não será isto que os governantes quererão, para isso têm que ser tomadas medidas positivas, incentivos para que as pessoas regressem às suas origens, pondo fim às portagens, diminuindo a carga fiscal aos que queiram investir nestas paragens; incentivos à maternidade, atribuir regalias sociais para quem queira morar no interior, e por aí fora.
As nossas aldeias e vilas possuem melhor qualidade de vida que a existente nas grandes cidades. Ares e águas puríssimas, boas estradas. Para se fazerem trinta quilómetros numa grande cidade, demora-se uma hora, ou mais; nas nossas terras, meia hora basta. Nada de engarrafamentos, nem dores de cabeça. 
Se não se tomarem medidas sérias e justas, qualquer dia, era uma vez


J. M. S

domingo, 8 de outubro de 2017

Beira Baixa

Até 1832 éramos da BEIRA, nesse ano passámos à BEIRA BAIXA

1758

1849

A Província do Alentejo, tão a norte, em 1758, não é engano, pois o Priorado do Crato ia até Oleiros e Pedrógão Pequeno. Não sendo Alentejo, estas terras aquém Tejo pertenciam ao comando militar do Alentejo, pois as províncias eram circunscrições militares.
Já a pertença da Sertã, Cardigos e Proença-a-Nova à Estremadura parece gralha, pois estas terras eram também da Ordem do Crato.
(Nota de José Teodoro Prata)

Jaime da Gama